Governo Federal aumenta bandeiras tarifárias da energia elétrica em até 64%

Áudio
Download do arquivo abaixo: (ou botão direito em salvar link como)

Foto da manchete: Agência Brasil

Por Jurandir Antonio – Voz: Vinícius Antônio

Texto do áudio:

A Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, aprovou um novo reajuste das bandeiras tarifárias, que incidem na conta de luz em caso de escassez hídrica ou qualquer fator que aumente o custo de produção de eletricidade.

Os aumentos vão de 3,2% a 63,7%, dependendo do tipo da bandeira, e não encarecem de imediato as contas de luz porque, desde abril, a bandeira tarifária está verde, quando não ocorre cobrança adicional.

Os valores entram em vigor a partir de 1º de julho e serão revisados em meados de 2023. 

Segundo a Aneel, a alta reflete a inflação e o maior custo com as usinas termelétricas em 2022, acionadas em momentos de crise hídrica.

A bandeira verde não tem cobrança adicional.

A tarifa da bandeira amarela aumentou quase 60% passou de um real e 87 centavos para dois reais e 98 centavos por megawatt-hora.

Já a bandeira vermelha patamar 1 subiu 63,7%, de três reais e 97 centavos para seis reais e 50 centavos por megawatt-hora.

E por fim, a bandeira vermelha patamar 2, aumentou em 3,2%, de nove reais e 49 centavos para nove reais e 79 centavos por megawatt-hora.

Desde 16 de abril, vigora no Brasil a bandeira verde, quando foi antecipado o fim da bandeira de escassez hídrica.

Segundo a Aneel, a bandeira verde será mantida até dezembro, por causa da recuperação dos níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas no início do ano.

Mas isso pode mudar, caso aconteça um aumento nos custos para produção de energia nos próximos meses.

Comentar

HTML restrito

  • Você pode alinhar imagens (data-align="center"), mas também vídeos, citações e assim por diante.
  • Você pode legendar imagens (data-caption="Texto"), mas também vídeos, citações e assim por diante.