Justiça mantém demissão por justa causa de empregado que não se vacinou contra Covi-19

Áudio
Download do arquivo abaixo: (ou botão direito em salvar link como)

Foto da manchete: Agência Brasil

Com assessoria – Voz: Yaponira Cavalcanti

Texto do áudio:

Um trabalhador foi demitido por se recursar a tomar vacina contra covid-19. Ele atuava no setor de limpeza de um frigorífico em Paranatinga e e buscou reverter a demissão na Justiça do Trabalho, porém, a justa causa foi mantida.

O empregado argumentou que não existe comprovação de que a vacina é 100% eficaz e que não se sabe quais os efeitos no corpo a longo prazo. Já a empresa se defendeu dizendo que explicou a todos os funcionários a importância da vacinação para manter trabalhadores e clientes seguros. 

O juiz Mauro Curvo destacou que a recusa por opinião pessoal não é suficiente para afastar a justa causa aplicada. 

Com base na legislação e decisões do Supremo Tribunal Federal, o STF, o magistrado concluiu que não tomar a vacina pode ser considerado como ato de indisciplina e insubordinação, resultar em falta grave e causar a extinção do contrato de trabalho.

Comentar

HTML restrito

  • Você pode alinhar imagens (data-align="center"), mas também vídeos, citações e assim por diante.
  • Você pode legendar imagens (data-caption="Texto"), mas também vídeos, citações e assim por diante.