Incêndios: Pantanal vive uma das piores situações, afirma Marina Silva

Áudio
Download do arquivo abaixo: (ou botão direito em salvar link como)

Foto: Joedson Alves/Agencia Brasil

Renato Ribeiro - repórter da Rádio Nacional - Brasília

Edição: Roberto Piza / Fran de Paula

“Estamos diante de uma das piores situações já vistas no Pantanal”.

Essa foi a declaração da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, ao comentar os incêndios que atingem Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A ministra participou, nesta segunda-feira (24), no Palácio do Planalto, da segunda reunião da sala de situação para prevenção e controle de incêndios no Pantanal.

Marina Silva disse que houve uma antecipação do período de seca na região, que normalmente acontece no segundo semestre.

“Toda bacia do Paraguai está em escassez hídrica severa. Nós não tivemos a cota de cheia, não tivemos o interstício entre El Niño e La Niña, e isso faz com que uma  grande quantidade de matéria orgânica, em ponto de combustão, esteja causando incêndios que são fora da curva em relação a tudo que se conhece”.

Ainda foi anunciado o reforço de mais 110 combatentes para atuar no Pantanal.

No momento, 250 brigadistas trabalham no combate às chamas.

Nesta quarta-feira, o governo vai divulgar o orçamento para prevenção e enfrentamento aos incêndios.

E na sexta-feira uma comitiva ministerial segue para Corumbá, em Mato Grosso do Sul, para avaliar a situação no estado.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, os municípios que mais desmataram são os que apresentam maior incidência de incêndios.

É o caso de Corumbá, no sul-matogrossense.

Além disso, os dois estados já decretaram a proibição do manejo de fogo até o fim do ano, inclusive, as queimadas controladas.